Conversas - Tertúlias

Encontros de Alvito 2022

2ª EDIÇÃO DO FESTIVAL ENCONTROS DE ALVITO

As tertúlias serão momentos de reflexão e descoberta colectiva, numa procura de ler o mundo como uma comunidade onde todos os seres vivos tenham lugar e onde o destino do ser humano seja apenas parte desse espaço e não senhor, ajudando a criar um futuro harmônico pela simbiose entre seres vivos, a terra e o cosmos.A água como elemento essencial da vida estará presente nos temas basilares das conversas, abordada numa perspectiva transversal, através de visões ecléticas que espelham esse elemento  na arte  ao longo dos tempos,  passam pela força da ciência na procura de soluções efectivas para os problemas e culminam na ecologia e nos programas lúcidos  de  defesa  e protecção da Natureza na sua totalidade e universalidade.

Com mais de 20 anos de experiência no sector do Património Cultural, Catarina Gonçalves é Doutorada em História da Arte Contemporânea pela Universidade Nova de Lisboa , tem o Diplôme des Hautes Études (3º ciclo) em Turismo pelo Institut de Recherche en Études Supérieures Touristiques da Universidade Paris 1 – Panthéon Sorbonne, Catarina é  directora-geral da Spira – revitalização patrimonial, sendo criadora de projectos emblemáticos no panorama  do património nacional, tais como: Rota do Fresco, patrimonio.pt, AR&PA – Bienal Ibérica do Património Cultural, Bienal de Artes & Ofícios | Novo Design,  ou Estudo ‘’Património Cultural em Portugal: Avaliação do Valor Económico e Social’’. 

É ainda coordenadora do Curso de Gestão do Património Cultural na Universidade Católica Porto Business School e membro do Conselho-Geral da Universidade de Évora.

(Lisboa, 1942), Geógrafo, Professor Catedrático Emérito, da Universidade de Lisboa, Investigador do Centro de Estudos Geográficos. 2º e 1º Assistente da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, Professor Catedrático Convidado do Instituto Superior Técnico e das Universidades de Umeå e de Paris X. Doutorado pela Universidade Lisboa (1972), pós-graduado (Fil Lic) pela Universidade Lund, Suécia. Coordenou investigações e projetos aplicados em Geografia, Planeamento e Urbanismo.

Colaborou nalguns grandes estudos e projetos de desenvolvimento regional e urbano do último meio século em Portugal entre outros: Sines (Comissão de Planeamento da Região de Lisboa e Gabinete da Área de Sines), Projeto de Administração Regional Península de Setúbal; coordenador da equipa que elaborou a proposta técnica do Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território. Publicou uma vintena de livros e mais de duas centenas e meia de artigos e opúsculos, entre eles Estudos Cultura 2020, nº 9, para Secretário de Estado da Cultura/Gabinete de Estratégia. Sócio fundador da  várias organizações APG, da APDR, da APCP, da APU. Sócio efetivo da Academia das Ciências de Lisboa, membro da Academia Europaea e Doutor HC pelas Universidades de León, Genève e Évora. Prémio Universidade de Lisboa, Prémio Internacional Geocrítica. Em 1986 fundou o CEDRU – Centro de Estudos e desenvolvimento regional e urbano Lda, onde continua a colaborar.

Professor Catedrático da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), aposentado em fev. 2022; investigador do Centro de Investigação em Tecnologias Agroambientais e Biológicas; licenciado em Engenharia Florestal pelo Instituto Superior de Agronomia; fez doutoramento e agregação em Engenharia Florestal pela UTAD. Fez investigação e trabalhos técnicos entre outras nas seguintes áreas: Ecologia de ecossistemas aquáticos, monitorização ecológica da qualidade da água, ordenamento de Bacias Hidrográficas, requalificação de cursos de água (com especial incidência na recuperação de habitats) e Estudo e Avaliação de Impacte Ambiental. Neste âmbito realizou trabalhos de investigação em Universidades da Holanda e Estados Unidos.. Participou em cerca de cinco dezenas de projectos no domínio da monitorização dos recursos hídricos, designadamente na implementação da Diretiva-Quadro da Água, no ordenamento de bacias hidrográficas e estabelecimento dos Planos de Bacia e do Plano Nacional da Água, requalificação ambiental de cursos de água e estudos de impacte ambiental. É autor e co-autor de vários livros e diversos artigos científicos.

Luís Ferro é um arquitecto sediado em Évora, onde exerce actividade profissional desde 2012 (Estúdio Quimera). É investigador do CHAIA/UÉ, do CEAU/FAUP e aluno do PDA/FAUP. Foi Monitor (2012-13) e desde 2013 é Assistente Convidado do Departamento de Arquitectura da Universidade de Évora.

Em 2014 fundou o Cinema-fora-dos Leões/Universidade de Évora e, entre 2015 e 2018, coordenou o projecto de investigação «Lugares Sagrados: as Cubas da Kûra de Beja», financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian (n.139754). Publicou artigos e apresentou comunicações em Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Finlândia, Marrocos e USA.

Em 2019 publicou o livro «O Eremitério da Cartuxa de Évora. Arquitectura e vida monástica» (Canto Redondo, 2019), que foi galardoado com o Prémio Frei Bernardo Domingues, O.P. 2019, atribuído pelo Instituto Cultural D. António Ferreira Gomes. Venceu o Prémio Estágios em Portugal e no Mundo (2014) e o Prémio Arquitectos Agora (2016), organizados pela Secção Regional Sul da Ordem dos Arquitectos.

Colabora regularmente com a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, a Fundação Eugénio de Almeida, a Câmara Municipal de Évora e a Câmara Municipal de Montemor-o-Novo na prestação de serviços de arquitectura, assim como organização de eventos culturais e de formações educativas nos domínios da arquitetura e do cinema.

Maria Guadalupe Magalhães Portelinha, nasceu em 1949, em Vila Real; licenciada em Filologia Germânica; foi professora e exerceu todos os cargos inerentes à profissão, nomeadamente como Delegada de Grupo, Coordenadora de Diretores de turma, Conselho Diretivo, Delegada Sindical, coordenação de vários projetos, nomeadamente o “Viva a Escola”, do Projeto Vida; mediadora do Centro de Estudos e Profilaxia da Droga; ativista associativa, fundou e dinamizou várias Associações de caráter cívico, ambiental e cultural: fundou, nos anos 80,da Associação OPTAR, de prevenção das toxicodependências, foi presidente de Associações de defesa do ambiente e património; atualmente faz parte da Direção da Associação José Afonso, da Associação luso-brasileira Mares Navegados, é presidente da Associação Abril. No âmbito das atividades associativas tem dinamizado vários projetos de caráter cultural e cívico, designadamente a realização, durante 11 anos do Arraial dos Cravos de Abril, no Largo do Carmo e no Jardim de S. Pedro de Alcântara, nas Comemorações anuais do 25 de Abril.

Encontramo-nos em Alvito!